Dor na barriga: atenção, ela pode indicar que seu corpo não está bem

A região abdominal é a parte que possui mais órgãos no corpo, então está sujeita a doer devido a várias causas e doenças distintas. A dor abdominal conhecida popularmente como dor na barriga, é muitas vezes um desafio para o médico descobrir qual a causa do problema, devido à grande possibilidade de diagnósticos diferentes.

Na maioria dos casos, a dor abdominal é benigna e autolimitada, ou seja, é a dor na barriga com leve intensidade que desaparece sem nenhum tratamento médico. Mas quando a dor abdominal é extremamente forte ou tem outros sintomas associados, como vômitos, febre e diarreia, é necessário consultar o médico.

Neste artigo será abordado as principais causas da dor abdominal, explicando de maneira simples como diferenciá-las.

  1. Excesso de gases

O excesso de gases é a principal causa do incômodo na barriga, especialmente em pessoas que sofrem com a prisão de ventre. Mas, os gases intestinais também poder aparecer quando há algum problema intestinal, como por exemplo a intolerância à lactose ou intestino irritável, ou até mesmo quando se ingere muitos alimentos como feijão, ovo, leite e refrigerantes.

O que sente: além de dores em forma de pontadas na barriga, o excesso de gases também causa o inchaço na barriga, fisgada no peito, azia ou arrotos frequentes.

O que fazer: uma dica ótima para aliviar essas dores, é tomar o chá de erva-cidreira com funcho uma vez ao dia, ou tomar remédio para gases como o Luftal.

  1. Má digestão

Assim como o excesso de gases, a má digestão também é um problema muito comum, acontecendo quando há a mistura de alimentos de forma errada ou então quando se come diversos alimentos com excesso de proteínas ou açúcares.

O que sente: é frequente sentir sintomas como arrotos frequentes, azia, cansaço excessivo e a sensação de estar com o estômago cheio.

O que fazer: é recomendável tomar chás digestivos, como o chá de erva-doce ou chá de boldo. Remédios como o Estomazil, Sal de frutas Eno ou Gaviscon também ajudam a melhorar este desconforto.

  1. Estresse excessivo

Os problemas psicológicos decorrentes do excesso de estresse, como o esgotamento ou a depressão, podem alterar o funcionamento do sistema gastrointestinal, ocasionando desconforto abdominal que pode ser confundido com problemas no intestino ou estômago.

O que sente: os sinais mais frequentes são a diarreia, enjoos, prisão de ventre, diminuição do apetite, dores musculares e dificuldades para dormir.

O que fazer: o ideal é relaxar para identificar se a dor diminui, fazendo uma massagem, praticando exercícios leves ou descansando em um quarto calmo. Mas, se os sintomas persistirem, deve-se consultar o médico para identificar se existe alguma outra causa.

  1. Gastrite ou úlcera gástrica

A inflamação no revestimento do estômago, conhecido popularmente como gastrite, ou a presença de alguma úlcera, pode provocar dores fortes na barriga, principalmente após comer alimentos muito gordurosos ou picantes.

O que sente: além da dor forte na região do estômago, é comum a sensação de enjoo, de estômago inchado, vômitos e também a perda de apetite.

O que fazer: quando a dor é muito forte, é necessário consultar o gastroenterologista para realizar exames específicos como a endoscopia, para avaliar a existência de uma úlcera, por exemplo. Mas, até ter o diagnóstico, deve-se manter uma alimentação balanceada para aliviar os sintomas.

  1. Refluxo gastroesofágico

O refluxo é decorrente de quando o conteúdo ácido do estômago chega até o esôfago, causando a irritação e inflamação nesse órgão. Esse problema é mais comum em pessoas com excesso de peso, hérnia de iato, diabéticos ou fumantes.

Mas também pode acontecer em qualquer pessoa independente da idade ou então devido a outros problemas, como o esvaziamento gástrico demorado ou alterações no estômago.

O que sente: a dor geralmente aparece na boca do estômago e é acompanhada da sensação de queimação na garganta, indigestão, arrotos frequentes, mau hálito ou então a sensação de bola na garganta. Esses sintomas podem piorar quando se deita logo após comer.

O que fazer: para evitar o refluxo, é preciso evitar deitar logo após comer, fazer alterações saudáveis na alimentação, dormir com a cabeceira da cama levemente elevada, e até mesmo em alguns casos, tomar remédios receitados pelo gastroenterologista.

  1. Intolerância à lactose ou glúten

A intolerância alimentar, como à glúten ou lactose, acontecem quando o corpo não consegue digerir essas substâncias, causando assim a inflamação do sistema gastrointestinal, causando a dor e o desconforto generalizado após as refeições, principalmente quando ingeriu alimentos como queijo, leite, pães ou massas.

O que sente: a dor é generalizada e pode ser acompanhada de sinais como diarreia, irritabilidade, barriga inchada, excesso de gases ou vômitos. Ao longo do tempo, pode vir a acontecer a perda de massa muscular e o emagrecimento.

O que fazer: caso existe a suspeita de intolerância, deve-se consultar o gastroenterologista para diagnosticar o problema e dar início ao tratamento adequado. Em casos assim, é preciso parar de comer todos os alimentos que contenham essas substâncias a qual se tem a intolerância.

  1. Problemas no pâncreas ou vesícula

Um dos problemas mais graves que acontecem no pâncreas e na vesícula, como a pedra ou inflamação, causam fortes dores na parte superior da barriga, que ao longo do tempo piora e fica mais intensa após as refeições.

O que sente: além da forte dor na barriga, podem surgir outros sintomas como náuseas, inchaço na barriga, febre, diarreia ou fezes amareladas.

O que fazer: os problemas no pâncreas ou vesícula devem ser tratados o mais rápido possível, portanto, se existir a suspeita de alterações em uma dessas regiões, é necessário ir até o hospital para identificar o problema e iniciar imediatamente o tratamento adequado.

Muitas vezes, as dores na barriga podem ser aliviadas rapidamente, mas caso ela persista, é necessário procurar o médico para realizar exames específicos, diagnosticar e iniciar o tratamento imediatamente.

Cuide de sua saúde, para que assim consiga viver bem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
%d blogueiros gostam disto: