Pedra nos rins, o que fazer para curar e tratar isso?

A pedra no rim, conhecida também como litíase renal ou cálculo renal, é uma doença muito comum que acontece quando há a cristalização de sais minerais que estão presentes na urina.

A crise de cólica renal é uma das situações mais dolorosas que uma pessoa pode passar em sua vida. Essa dor é descrita muitas vezes sendo pior que uma fratura óssea, ferimentos por arma de fogo, queimaduras e até mesmo o parto.

Conheça a seguir mais informações sobre essa doença.

Como se formam os cálculos renais?

O cálculo renal é uma formação sólida de minerais que aparecem dentro dos rins. Cerca de 70% dessas pedras são de sais de cálcio, como o fosfato de cálcio e o oxalato de cálcio. Também existem cálculos renais à base de cistina, estruvita – magnésio + fosfato + amônia –  e ácido úrico.

Para entender como se formam essas pedras, é bem simples. Imagine um copo cheio de água transparente, e que jogamos um pouco de sal, ele será diluído na água e assim ela se tornará um pouco turva.

Se continuarmos a jogar sal, a água ficará menos clara até chegar ao ponto em que a o sal começará a precipitar-se no fundo do copo. Essa precipitação ocorre quando a água fica muito saturada de sal, ou seja, quando a quantidade de água presente já não é mais o suficiente para diluir o sal.

É esse o princípio da formação dos cálculos renais. Quando a quantidade da urina já não é o suficiente para dissolver os sais minerais presentes nela, eles retornam a sua forma sólida e precipitam-se nas vias urinárias. Os sais precipitados na urina aglomeram-se, formando as pedras com o passar do tempo.

Essa precipitação dos sais na urina acontece basicamente por dois motivos, falta de água para diluir os sais ou então excesso deles para serem diluídos.

A maior parte dos casos de cálculo renal acontece por falta de água para poder diluir a urina de forma adequada, tendo como origem o baixo consumo de líquidos. Mas, existem os casos em que mesmo o paciente ingerindo muita quantidade de água durante o dia, ele continua a formar pedra nos rins.

Esses casos acontecem com as pessoas que tem alterações na composição da urina, apresentando naturalmente grandes quantidades de sais, na maioria dos casos, o cálcio. Assim a quantidade de cálcio na urina chega a ser tão grande que mesmo bebendo bastante água, ele ainda consegue se precipitar.

 Sintomas do cálculo renal

Muitos dos pacientes possuem pedras nos rins, mas não apresentam sintomas. Quando a pedra se forma dentro do próprio rim e fica parada, o paciente poder ficar anos sem sentir absolutamente nada e descobre o cálculo renal por acaso, ao realizar um exame abdominal, como uma tomografia computadorizada ou ultrassom, por algum outro motivo.

Pedras menores que 3mm – 0,3 centímetros – podem percorrer todo o canal urinário até serem eliminados na urina. O paciente pode perceber quando começa a urinar, e de repente ouve o barulho de uma pedrinha caindo no vaso sanitário.

O sintoma mais comum do cálculo renal é conhecido como cólica renal, que surge quando uma pedra com pelo menos 5mm fica presa em algum ponto do ureter (tubo que liga o rim à bexiga e leva a urina), causando dilatação e obstrução do sistema urinário.

A cólica renal é uma dor lombar. Faz com que o paciente fique inquieto, procurando uma posição em que não sinta dor.

Ao contrário das dores da coluna que melhorar quando se está em repouso, a cólica renal dói intensamente não importando o que você faça. Algumas vezes, a dor é tão forte que vem acompanhada de náuseas e até vômitos. O sangue na urina pode ser frequente e é causado quando há lesão direta no ureter.

Geralmente, pedras menores que 5mm conseguem sair espontaneamente pela urina. As que medem de 5mm a 8mm causam mais dificuldade para serem expelidas, podendo até sair, mas demora e causa uma grande lesão no ureter.

Quando o cálculo renal está maior que 9mm, ele está grande demais e já não passa pelo sistema urinário, assim é necessária a intervenção médica para conseguir retirá-los.

Estes cálculos maiores que 9mm podem ficar impactados no ureter, causando a obstrução à drenagem da urina e assim, a dilatação do rim pois a urina não conseguem ultrapassar essa obstrução e acaba ficando presa no rim. Essa situação é chamada de hidronefrose.

As hidronefroses graves precisam ser corrigidas o mais rápido possível, pois quanto maior for o tempo da obstrução, maiores são as chances de causarem lesões irreversíveis ao rim.

Tratamento para o cálculo renal

Para tratar o cálculo renal deve-se ir até um nefrologista e seguir cuidadosamente as suas orientações sobre quais remédios tomar e qual o melhor tratamento clínico para seguir.

Quando os sintomas começam a se manifestar não é recomendado beber bastante água, pois isso pode fazer a pedra mudar de lugar e intensificar ainda mais a dor. A orientação de beber bastante líquidos deve ser seguida quando não se está em crise, para assim agir como prevenção para o aparecimento e crescimento da pedra.

É necessário ingerir de 3 a 4 litros de água por dia para poder ajudar a eliminar as pedras pequenas. Além disso é extremamente importante fazer refeições com baixo teor de proteína e sal, assim ajuda a evitar o aparecimento de novas pedras ou então que as pedras existentes aumentem de tamanho.

A crise de pedra nos rins pode ser tratada também com a cirurgia para a retirada das pedras ou então técnicas menos invasivas, como laser e choque que fazem as pedras diminuírem de tamanho facilitando assim a sua eliminação pela urina.

Para ter certeza de que as pedras estão sendo eliminadas pela urina e ver se não existe a formação de novas, é importante realizar exames indicados pelo médico, como o raio-X, a tomografia computadorizada, exame de urina e de sangue.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
%d blogueiros gostam disto: