Por que tenho tanta enxaqueca e o que fazer?

O grande problema da enxaqueca é que todos os exames realizados no paciente trarão resultados normais. Então, qual é a causa da enxaqueca?

A enxaqueca é um tipo de cefaleia – dor de cabeça – e se caracteriza pela dor pulsátil de um dos lados da cabeça, podendo ser também nos dois. A crise de enxaqueca dura em torno de 72 horas e pode ser mais curta em crianças.

A enxaqueca crônica caracteriza-se pela dor de cabeça em 15 dias ou mais do mês. Mas infelizmente ainda para muitos profissionais de saúde a enxaqueca é uma doença de frescura, vontade de chamar atenção, e para piorar a causa dela por ser muito sutil não consegue ser detectada por exames.

Então, o fazer quando se suspeita que tem enxaqueca?

Causas

Substâncias como os neurotransmissores e neuropeptídeos o cérebro fabrica para realizar a transmissão informação entre neurônios, por isso esse nome.

Os neurotransmissores são responsáveis pelas nossas sensações, humor e comportamento. É devido a isso que a enxaqueca, depressão, transtorno de ansiedade e pânico estão relacionadas a desequilíbrios bioquímico cerebral.

Os sintomas desses desequilíbrios neuroquímicos podem ser diferentes um dos outros. Portanto, enquanto em uma pessoa ele se manifesta como depressão, em outros pode ser como enxaqueca, ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo, entre outros.

Cada uma dessas manifestações resulta em um diagnóstico diferente, pois a maneira que esse desequilíbrio aparece depende de fatores genéticos, comportamentais e ambientais.

Quando a enxaqueca está instalada em uma pessoa, ela pode apresentar os sintomas após acontecimentos chamados de fatores desencadeantes, erroneamente confundidos com as causas da enxaqueca.

Não existe uma causa exata para a enxaqueca, mas se sabe que ela começa quando as células nervosas estão em estado de hiperexcitabilidade e reagem a algum gatilho externo, enviando impulsos aos vasos sanguíneos causando a compressão, dilatação e a liberação das prostaglandinas, a serotonina e outras substâncias que causas a dor.

Exames

Infelizmente não existe nenhum exame capaz de detectar e comprovar o desequilíbrio causador, então a pessoa é submetida a vários exames tentando encontrar a causa da enxaqueca. Mas para cada médico, a causa poderá ser uma.

Tudo o que se sabe até hoje é que na enxaqueca há um desequilíbrio químico, mas tudo relacionado a esse desequilíbrio são hipóteses, tanto que a enxaqueca é definida pelos sintomas e não pelas suas causas.

Mas a enxaqueca não está relacionada com doenças ou distúrbios em órgãos, pois se fosse, todas as pessoas que possuem algum problema de coluna, alergia ou sinusite teriam os sintomas da enxaqueca, e isso não acontece.

Crises

A duração da crise de enxaqueca demora normalmente de 3 horas até 3 dias, e após um período variável sem dor. Nesse tempo, pode acontecer alterações no humor – depressão, euforia ou irritabilidade – no apetite, visão dupla ou embaçada, cegueira parcial em um ou os dois olhos.

Outros sintomas podem ser a diminuição da força muscular, tonturas, formigamentos, diarreia, hipersensibilidade do couro cabeludo, irritabilidade, mudanças constantes no humor e lacrimejamento. Não é preciso ter todos os sintomas para então ter enxaqueca, na maioria dos casos os pacientes têm apenas alguns em graus variados.

A dor causada pela crise de enxaqueca é forte o bastante para impedir que o indivíduo exerça qualquer atividade, obrigando-o assim a ficar em um quarto escuro, deitado, em silêncio e sem se mexer por horas ou dias. Assim o paciente se irrita facilmente, preferindo então ficar sozinho.

A maior parte das crises acaba quando o paciente dorme, ou ao vomitar. Quando a crise acaba, ele sente como se estivesse de ressaca, apresentando pelos próximos dias baixa tolerância para atividades físicas e mentais.

A cada crise, a localização da dor pode variar, raramente a dor é sempre no mesmo local. Ela pode ser em qualquer parte da cabeça, até mesmo na região dos dentes, nuca e bochechas, sendo assim pode ser confundida com problemas dentários, sinusite e coluna.

Tratamento para enxaqueca

Antes de começar o tratamento é importante saber se o diagnóstico está correto, principalmente o seu fator desencadeante. A melhor forma é evitar esses fatores e tomar o medicamento prescrito pelo médico quando a crise aparecer. Os medicamentos que previnem as crises de enxaqueca são antidepressivos, neuromoduladores, betabloqueadores e antivertiginosos. A indicação dependerá de cada caso.

Apenas o médico pode dizer o remédio correto para o seu caso, assim como a dosagem e duração do tratamento. Siga as orientações do seu médico e jamais se automedique, além disso, não interrompa o uso dos remédios sem consultá-lo e também se tomar em quantidade maior do que a prescrita, siga atentamente as instruções da bula.

Convivendo com a enxaqueca

Durante a crise de enxaqueca, siga algumas recomendações:

  • Tome o seu medicamento

Pacientes que tem enxaqueca frequente devem estar sempre com os seus medicamentos, pois algum tempo após a dor de cabeça começar, acontece um processo de sensibilização, que mantém a dor mais forma e resistente aos analgésicos.

  • Entenda o que pode aliviar sua dor

Devido aos desencadeantes da enxaqueca serem diferentes, a forma de aliviar a dor também difere muito. Procure compreender o que faz com que você tenha crises de enxaqueca. Outra forma muito comum utilizada em tratamentos sem medicamentos, podem ser compressas de água quente ou fria, terapia, massagens e acupuntura.

  • Trate separadamente os sintomas

Já que o analgésico trata somente a dor da enxaqueca, os outros sintomas devem ser tratados separadamente. Esse cuidado é maior com pacientes que apresentam vômitos, pois podem acabar eliminando os remédios, sendo assim é necessário ir ao pronto socorro mais próximo para receber medicamentos na veia.

  • Durma em locais escuros e silenciosos

Enquanto estiver em uma crise de enxaqueca, é normal não suportar ambientes muito iluminados e barulhentos. Portanto, é ideal que fique em um ambiente com pouca luz e principalmente sem barulhos para poder repousar até a crise passar.

  • Alimentação saudável e muita água

Beba muito líquido, tanto água como sucos naturais ou soluções hidratantes disponíveis em farmácias, mercados entre outros. Caso sua crise seja acompanhada de vômito, o mais indicado é não comer alimentos sólidos, e em casos extremos procure um pronto socorro para receber drogas injetáveis mais potentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
%d blogueiros gostam disto: